Investimentos do Brasil em inovação são de 0,5% do PIB

28/05/2021

Os países mais desenvolvidos do mundo usam a inovação como um vetor do desenvolvimento. Tanto é que os membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) têm investido acima de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em projetos da área. Israel e Coreia do Sul vão além e já investem algo em torno de 5% de suas riquezas.

No Brasil, em 2018, a média girava em torno de 1,2%. Mas hoje, depois de sucessivos cortes e o contingenciamento de 90% dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia (FNDCT), a estimativa é que os aportes representem apenas 0,5% das riquezas nacionais.

Estes investimentos são necessários até mesmo para atrair projetos e empresas de base tecnológica para o País. “Já acompanhamos de perto investimentos de pesquisa e desenvolvimento no Brasil Casos de empresas que trouxeram seus centros e deram certo e outros não. Para as empresas investirem em inovação e desenvolverem inovação no Brasil é preciso aprimorar todos os fatores que influenciam o País ser mais ou menos inovador – o problema está na base”, afirmou a diretora da Confederação Nacional da Indústria (CNI) para inovação, Gianna Sagazio.

Na avaliação da diretora da CNI, de fato, o Brasil não acompanha o que acontece nos países desenvolvidos em vistas de enrobustecer a tecnologia e a inovação e fortalecer a economia. A exemplo da China, que prevê investimentos de US$ 380 bilhões em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e dos Estados Unidos, com aportes superiores a US$ 200 bilhões na área. O Brasil, apesar de ter um orçamento previsto de R$ 7,2 bilhões para a área de Ciência e Tecnologia, tem apenas R$ 400 milhões autorizados para o uso.

“O Brasil não acompanha o movimento das principais economias do mundo no sentido de fortalecer suas estratégias de desenvolvimento, por meio das tecnologias de inovação. As tecnologias induzem grandes mudanças e atraem investimentos. Mas o País, apenas com R$ 400 milhões, pouco vai avançar”, alertou.

Para Gianna Sagazio, trata-se de uma questão estratégica. As inovações precisam ser analisadas de forma sinérgica a fim de mudar processos de gestão e transformar modelos de negócios. Mudanças em padrões de consumo, no perfil do emprego e no estilo de vida das pessoas, necessariamente, passam pela indústria. Por isso, o epicentro de todas essas transformações está no setor. Daí a necessidade da inovação.

“Se, no passado, o crescimento da produtividade era determinado pelo investimento em infraestrutura e capacidade instalada, hoje, parte importante do crescimento das principais economias é creditada à inovação”, lembrou.

Ela citou ainda o Índice Global de Inovação (IGI), no qual o Brasil caiu 15 posições nos últimos dez anos. E, apesar de ter recuperado quatro no ano passado, a 62ª colocação ainda é incompatível com o fato de ser a 9ª maior economia do mundo. O ranking abrange 131 países e os dez mais bem colocados do índice são: Suíça, Suécia, Estados Unidos, Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Singapura, Alemanha e Coreia do Sul.

“Infelizmente, ciência, tecnologia e inovação ainda são considerados gastos por muitos. Mas para os desenvolvidos, é investimento. No Brasil isso precisa ser aprimorado, dada a importância que tem para o desenvolvimento. Caso contrário, o futuro da nação será comprometido”, comentou.

E para auxiliar nesse trabalho, há 13 anos, a CNI, junto das maiores lideranças do País, criou a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) – da qual, Gianna Sagazio é coordenadora executiva. O principal objetivo da MEI é sensibilizar empresários brasileiros para o desafio de construir uma agenda positiva para a inovação no Brasil.

Para isso, quase 400 lideranças se articulam entre si e com governo e academia em vistas de fortalecer o ecossistema de inovação do País. As áreas identificadas como inovadoras e estratégicas e constantemente trabalhadas são: computação quântica, inteligência artificial, internet das coisas, indústria 4.0, nanotecnologias, biotecnologia, redes de comunicação e materiais avançados e armazenamento de energia. “Essas áreas são inovações disruptivas que já impactam nossa indústria”, concluiu.

Fonte: Diário do Comércio